Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Em Riga

IDT-N°/ : 4920

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

            Guias de viagem e folhetos turísticos apresentam, como principais ímanes de Riga, o centro histórico e o bairro que concentra a mais interessante Arte Nova da cidade.

            No que tange ao primeiro, saliento a casa dos Cabeças Negras, erguida no século xɪv e várias vezes reformada. Demolida pelos soviéticos, foi reconstruída e exibe hoje o galarim de outros tempos. A frontaria, na qual o tijolo predomina, evoca a arquitetura renascentista dos Países Baixos. Guardo também na memória o ambiente de época da residência Mentzendorff e as esculturas de gatos nos torreões de um edifício de 1909. Na catedral, a fusão de estilos é desgraciosa, mas gostei do campanário barroco do século xvɪɪɪ e do púlpito com esculturas de Cristo, dos apóstolos e dos evangelistas. Em matéria de gastronomia, merece encómios a mesa farta, que exala campo e inverno na boa carne e nos molhos espessos, do restaurante Folkklubs Ala Pagrabs, sito numa cave sem janelas que decerto afasta os claustrofóbicos. Ainda na velha urbe, a minha barba foi alvo de todos os desvelos num dos estabelecimentos da cadeia Wood Religion e eu acabei por rogar aos seus responsáveis que se instalassem em Bruxelas: aqui, o baixo nível dos serviços aferra‑se de modo pertinaz a cabeleireiros e a barbearias.

            Na zona em que a Arte Nova sobressai, destaco uma rua (Alberta iela) e o Rīgas Jūgendstila centrs, um duplex — no piso térreo e na cave de um imóvel cujos andares são servidos por uma soberba escada de caracol — onde se recria um lar de Riga no primeiro quartel do século xx.

            Em Alberta iela, as fachadas seguem as melhores regras da arte e compõem um festival do estilo: nelas vemos cabeças com turbantes, perfis de faraó, rostos com esgares de espanto e de dor, motivos que radicam na fauna e na flora, janelas trapeziformes. Duas estátuas de esfinge vigiam o acesso a um prédio e dois grifos em baixo‑relevo velam num portal. Embora roce a saturação, a abundância de atavios não prejudica o equilíbrio estético e da rua ressumam harmonia e critério. Flanar nos seus passeios é, sem sombra de dúvida, um céu‑aberto.

            O Rīgas Jūgendstila centrs vale pelo seu todo, mas, se tivesse de distinguir fragmentos, indicaria os vitrais da janela da sala de jantar e também, na sala comum, o friso de margaridas e o ornato em estuque do teto. Ali me cruzei com uma senhora cujos peitos carnudos, sob blusa pingona na qual estava estampada meia guirlanda de tulipas, eram uma mostra balouçante de Arte Nova.

            O centro histórico e as artérias fartas em Arte Nova aprouveram‑me. Porém, não foi aí que senti o autêntico despaísamento, o traslado de espírito que faz esquecer rotinas, pessoas e lugares do quotidiano. Eu preciso disso e, em Riga, experimentei‑o em Ķīpsala e na área do antigo gueto.

            Ķīpsala é uma ilha fluvial com casas de madeira velhas e bem conservadas. O seu chamariz é o museu que honra Žanis Lipke, o «Wallenberg da Letónia» entretanto feito «Justo entre as Nações» por Israel. Ajudado pela mulher e por outros bravos, ele evitou que mais de cinquenta judeus morressem pelas mãos dos nazis. Ora, parece que, mal saem do museu, os turistas se dissipam. Um passeio por Ķīpsala mergulha‑nos, pois, numa atmosfera própria, letã, e, conquanto a vista alcance torres modernas, faz‑nos recuar no tempo. O arranjo e o traço harmonioso das vivendas impelem a pensar num complexo etnográfico ao ar livre, mas as luzes e os afetos que as janelas deixam entrever são típicos de vida familiar corrente.

            Na zona do gueto, habitada por desvalidos, o curso dos anos e a pobreza descoraram as paredes ou deixaram‑nas em petição de miséria e não faltam muros escalavrados. O mau gosto evidencia‑se nas lojas fatelas, num prédio em que a antena parabólica ladeia dois atlantes, nos homens de tronco nu que preguiçam nas soleiras das portas. Um dos poucos edifícios modernos, o do Dodo Hotel, lança tormento estético adicional sobre o bairro.

            Em Ķīpsala e na judiaria, estive longe da mise en tourisme caraterística do centro histórico, carregado, quando por lá andei, de garridice e de fatores que distraíram o meu espírito de viajante: a malta dos cruzeiros, sujeitos que usavam chinelos de piscina, turistas que tinham a língua dos Rolling Stones cosida no fundilho das calças, bêbados em despedidas de solteiro, velhos de má catadura e os seus belos engates asiáticos, grupos densos, o retinir de copos e garrafas de cerveja, o restaurante Rockabilly House (que importa uma certa ideia de Estados Unidos e propõe à clientela salsichas com um metro de comprimento).

            No fundo, nihil novi sub sole: em Riga, assim como noutras cidades, não é nos quarteirões com aparatoso património nem nos sítios propagandeados em grandes parangonas que respiramos o ar local. Este forma a atmosfera dos lugares menos protegidos pela estética, mas falhos de elementos turvadores da visita; cada vez mais, são eles que me concitam a viajar.

Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Colaborador convidado
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
 
Paulo Pego nasceu em 1967, em Barcelos (Portugal). É doutor em direito, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e jurista-linguista do Conselho da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica). 

Publicou livros e artigos jurídicos e faz palestras sobre temas relacionados com a União Europeia. 

Paulo Pego é autor dos livros de poesia À Senoite (2009), A Lógica dos Corais (2013), Le Sel (2013), Livro das Pedras (2014) - publicados pela Orfeu (Bruxelas) -, Poesia (2014), Em Forma (2014) - publicados pela Anome Livros (Belo Horizonte, Brasil) –, Viagem (2015) – Editora Licorne –, Vida sem Demão (2015) – Editora Labirinto – e Entre-Tecidos (2016; textos de Paulo Pego e obra plástica de Sónia Aniceto) – Editora Licorne.

Publicou contos e traduziu para português poemas de Ada Christen e de Francisca Stoecklin. Participou igualmente em exposições de fotografia.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Pinto da Costa com conversa marcada com Sérgio Conceição para falar da renovação https://t.co/fQ6zZREOq8
CDS questiona Governo sobre falta de transporte escolar para crianças e jovens com deficiência https://t.co/cZVzFizqS9
Passados cinco anos, Maria Manuel Branco está de saída do cargo e de regresso a Portugal https://t.co/3MxuBjwGU9
Follow Jornal das Comunidades on Twitter