Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

“Dar” a opinião

IDT-N°/ : 5775

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Desde miúdo senti a necessidade e o direito de partilhar a minha opinião sobre as coisas. O que é curioso é que a razão pela qual era, na altura, repreendido pelos adultos, é precisamente aquela que me faz começar esta parceria com o Luso.eu: “dar” a minha opinião.

Parece-me que a sinceridade não é necessariamente positiva caso ofenda alguém. Por isso, prometo que aplicarei estratégias polidas que, entretanto, adquiri e desejo não chocar ninguém. Por mais persuasivo que possa ser, respeito diferentes pontos de vista e estou consciente dos limites do meu conhecimento, e consequentemente do início da minha ignorância ou da relatividade de alguns factos.

Ora, é precisamente esta relatividade que me reporta a um contexto de humildade perante o conhecimento ou a falta dele. Ao analisar a etimologia da palavra “opinião” descobri que deriva do latim 'opinĭōne', que significa “conjetura, crença, ideia, representação”. Com o famoso neurocientista português António Damásio, aprendi que a perceção que temos do mundo deriva de representações cerebrais construídas através da interpretação dos factos. Por isso, a interpretação daquilo que vemos e sentimos é bastante falível, logo a nossa opinião também o é.

Então como podemos aprimorar e viabilizar o processo opinativo? A meu ver, acrescentando conteúdo com informação. No fundo, considero a educação a melhor forma de melhorar a qualidade das nossas opiniões. Ler, ouvir, ver e refletir é importante! Mais conhecimento abre um espectro de relações possíveis entre os factos, que nos ajudam a ter uma abordagem mais cautelosa quando construímos um juízo de valor relativamente a algo. Espinosa, grande filósofo neerlandês descendente de portugueses, já se havia apercebido disto no século XVII.

Outra questão que considero importante é a possibilidade de “dar” a nossa opinião. Partilha-la de forma genuína, mas, primeiramente, com o intuito de melhorar algo ou alguém. Vejo esta possibilidade como: (1) um direito responsabilizável; (2) um dever cívico. Passo a explicar. (1) Considero importante que, mesmo sendo uma opinião, temos a responsabilidade de a fundamentar com factos o mais imparcialmente possível, tendo em conta que, hoje em dia, a informação (e desinformação também) viajam quase mais rápido do que a luz. Acredito que os líderes de opinião devem seguir o princípio de caute (cautela), que Espinosa enfatizava, para não condicionar as populações mais suscetíveis. (2) Considero ainda que quem tem conhecimento, e o sabe “popularizar” com linguagem acessível, tem o dever de o fazer, pois, todos devemos contribuir de alguma forma para o avanço da nossa sociedade com conteúdos pertinentes.

Sou totalmente a favor da liberdade de expressão ou não faria sentido sequer a palavra “liberdade”. Porém, considero importante que a disseminação dessas opiniões em redes sociais seja seletiva segundo padrões de qualidade - não de julgamento do conteúdo, mas de fundamentação da lógica elementar (origem na filosofia).

Então sim, depois de aceder à informação disponível, bem como ao ponto de vista de um autor, “cada cabeça sua sentença”.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

 

Afonso Franco
Colunista
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Afonso Franco é um professor e personal trainer apaixonado pelo exercício físico, sobretudo no sentido profilático e do desenvolvimento holístico do ser humano. Dedica o seu dia a dia a ensinar crianças e adultos em contextos de escola, ginásio, clínica e desporto de alta competição. Licenciado em Ciências do Desporto e Mestre em Ensino, conta com mais de dez anos de experiência nestas áreas. Interessa-se por filosofia e neurociência.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Covid-19: Hospitais privados reiteram disponibilidade para responder à pandemia https://t.co/ZdagRCrsWi
Yes! à Studio du Chien Marin https://t.co/fy8O6bbtQd
OE2021: BE diz que orçamento “é de rotina”, mas assume compromisso em caso de mudança https://t.co/Le1JvWfcWy
Follow Jornal das Comunidades on Twitter