domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:47 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:91 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:177 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:371 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:166 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:171 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:519 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:430 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:102 Opinião

Grande segunda parte do Benfica, mas qualidade na definição fez a diferença





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Uma grande segunda parte do Benfica deixou-o à beira do empate com o Liverpool, mas a qualidade na definição das jogadas fez a diferença na derrota por 3-1, nos quartos de final da Liga dos Campeões de futebol.

O Benfica, que chegou ao intervalo a perder por 2-0, agigantou-se na segunda parte, passou a ter mais bola, foi ‘para cima’ do Liverpool, fez o 2-1, criou oportunidades para fazer o 2-2, e acabou por sofrer o 3-1, porque a qualidade individual e coletiva da equipa inglesa é superior.

É certo que o Liverpool baixou a sua intensidade de jogo na segunda parte, por estar a ganhar por 2-0 e quiçá por ter no domingo um jogo que pode ser decisivo para o título inglês frente ao Manchester City, mas o Benfica entrou forte na segunda parte, fez o 2-1 aos 49 minutos, galvanizou-se e ameaçou várias vezes o 2-2.

O maior elogio que se pode fazer ao Benfica foi o facto de o Liverpool, na segunda parte, não ter conseguido controlar o jogo, ter sido incapaz, na maior parte do tempo, de ameaçar a baliza de Odysseias Vlachodimos, e de ter sentido notórias dificuldades para travar as incursões dos jogadores benfiquistas, quando estes rodavam e arrancavam com a bola dominada de frente para a sua baliza.

A diferença esteve no detalhe e na qualidade individual, de que é exemplo o golo falhado por Everton aos 60 minutos, em posição frontal, no limite da grande área, com Darwin completamente solto um pouco descaído sobre a direita, não só não fez o passe para o seu companheiro, como não foi capaz de finalizar em excelentes condições para bater o guarda-redes Alisson.

O Benfica também podia ter chegado ao 2-2 aos 67 minutos, num lance em que Darwin foi travado com o braço pelo neerlandês Van Dijk e pediu penálti, mas o árbitro deixou seguir e acabaria por ser o Liverpool a dar o ‘xeque-mate’ no jogo mesmo à beira do final, aos 87 minutos, por Luis Díaz, num lance em que Otamendi é duplamente infeliz, por perder um passe a meio-campo e depois por intercetar a bola, desviando-a e proporcionando a finalização ao ex-extremo portista.

De resto, Díaz foi a figura do jogo, não só por este golo, mas também pela assistência para o segundo, aos 34 minutos, para Sadio Mané e pela excelente primeira parte que efetuou.

De referir, ainda, que o Benfica não pode sofrer um golo como o primeiro que sofreu, num pontapé de canto, em que o central francês Konaté surgiu à entrada da pequena área a saltar sozinho sem ninguém a marcá-lo, num erro inaceitável quando estamos a falar da Liga dos Campeões.

No outro jogo de hoje referente à primeira mão dos quartos de final, o Manchester City recebeu e venceu o Atlético Madrid por 1-0, num jogo desbloqueado pelo internacional belga Kevin De Bruyne, aos 70 minutos, ao marcar o único golo da partida.

Na verdade, o campeão inglês sentiu, como, de resto, se esperava, grandes dificuldades em ultrapassar o ‘catenaccio’ habitual usado por Diego Simeone nestes grandes jogos, tendo muito mais bola, mas também muito pouco espaço.

Houve muitas fases do jogo que o Atlético defendeu com duas linhas de cinco (5x5), com o internacional português João Félix a fechar o quinteto na ala esquerda, e a verdade é que os ‘citizens’ não conseguiram criar oportunidades de golo e só tiveram dois remates enquadrados à baliza em todo o jogo, tantos como o Atlético de Madrid na baliza de Ederson.

Em todo o caso, a vitória tangencial acaba por ser um bom resultado para o Manchester City porque vai forçar Simeone, na segunda mão, no Wanda Metropolitano, a ‘sair da toca’, o que não faria se saísse do Etihad com um nulo no resultado.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 813 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia