Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 27 janeiro 2022

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Crise/Energia: Empresas de cerâmica de Leiria admitem aumento do preço do produto final



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) – Alguns empresários do setor da cerâmica admitem um impacto da crise energética no produto final, mas acreditam na necessidade de encontrar soluções alternativas no processo produtivo.

O aumento no preço do gás, eletricidade e combustíveis está a ter impacto na economia, nomeadamente em alguns setores.

Na cerâmica, o diretor-geral da Matcerâmica, no concelho da Batalha, distrito de Leiria, afirmou à Lusa que a crise energética está a ser “muito impactante ao nível da perda de competitividade” e irá acontecer quando os atuais contratos terminarem.

Marcelo Sousa acrescentou que “a energia é um dos custos mais relevantes, nomeadamente o gás para os fornos, e não existe produto substituto”.

“Infelizmente, os ciclos de revisão dos preços de energia não coincidem com os momentos de negociação com os nossos clientes pelo que não conseguimos repassar. Este é o problema de fundo que vai fragilizando a nossa competitividade”, constatou o diretor-geral da Matcerâmica.

Admitindo que as empresas renováveis podem ser o futuro, o empresário considerou que, para já, só a eletricidade pode ser solução. “Nessa matéria, penso que somos das poucas, ou eventualmente única empresa, com capacidade de produção de eletricidade 'in-house' para 100% das necessidades em período solar”, revelou.

No mesmo setor, Eduardo Alves, acionista maioritário da Val do Sol, em Porto de Mós, salientou que “os preços do gás vão continuar a aumentar”, mas defendeu que a “indústria vai ter de se adaptar a esta realidade”.

Para este empresário, as “soluções existem”.

“É preciso apostar noutras energias, como a energia solar. Os processos produtivos têm de ser ajustados”, salientou.

Eduardo Alves insistiu que “não é possível controlar os preços do gás que vêm de fora”. “Outras indústrias já tiveram de se adaptar, como o setor do automóvel. Nós também temos de encontrar outras soluções. Esta crise é só um sintoma”, afirmou.

As políticas de combate às mudanças climáticas levarão à alta dos preços, dizem economistas contactados pela Lusa, que consideram o 'sinal preço' fundamental para mudar comportamentos e promover a transição energética, mas também defendem medidas mitigadoras do impacto.

Em julho, a Comissão Europeia apresentou propostas que vão desde a expansão do sistema de comércio de emissões de gases com efeito de estufa (estendendo às emissões dos edifícios e dos transportes) à proibição de carros movidos a combustíveis fósseis. O objetivo é levar indústria e consumidores a reduzirem a poluição.

Nove países europeus (Áustria, Alemanha, Luxemburgo, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Irlanda, Letónia e Holanda) divulgaram uma declaração conjunta contra os apelos para uma reavaliação do formato do mercado de eletricidade da UE (que têm sido feitos principalmente por Espanha e França) e do regulamento sobre comércio de emissões.

Espanha respondeu a esta posição dos países nórdicos com outro documento não oficial questionando o funcionamento do mercado de eletricidade da UE, interligado com o do gás: “Cada aumento de um euro por MWh [megawatt/hora] no preço do gás natural representa 2,7 mil milhões de euros por ano em custos adicionais de eletricidade, […] desviando recursos da transição energética e da recuperação económica e a cada dia que passa piora”.

O professor de economia Carlos Farinha Rodrigues defende uma intervenção na própria formação dos preços, nomeadamente dos combustíveis, salientando que, apesar de a carga fiscal ser uma componente muito significativa, nos últimos anos tem havido também “alguma desregulação do mercado de combustíveis”.

Lembrou, a propósito, que quando o preço do barril de petróleo “desceu fortemente”, isso não se repercutiu “a sério” no preço de venda aos consumidores, enquanto “agora que está a subir já está a repercutir”.

“Eu claramente acho que é necessário, em Portugal, e provavelmente também a nível europeu, formas de regulamentação do mercado de combustíveis que sejam mais eficazes”, defendeu.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 377 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia