domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:46 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:90 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:369 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:430 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:101 Opinião

Portugueses na Venezuela afetados por condições sociais e económicas





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Um conselheiro das comunidades na Venezuela alertou hoje que os portugueses estão a ser afetados pelas cada vez mais acentuadas diferenças sociais e económicas na Venezuela.

“Há duas ‘Venezuelas’, uma Venezuela ou uma parte do povo, que tem, digamos, uma aceitável condição económica e outra que não está ao alcance dessa situação. Os mercados estão cheios de produtos, venezuelanos e estrangeiros […] mas que não estão ao alcance de todos”, disse Leonel Moniz.

O conselheiro falava à agência Lusa a propósito da visita que o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, Paulo Cafôfo, inicia hoje à Venezuela, a primeira a este país desde que assumiu funções.

Segundo este conselheiro “a maioria dos comerciantes e empresas tiveram de ‘dolarizar’ (fixar em dólares) os salários porque de outra forma as pessoas não poderiam trabalhar” e o valor mínimo oficial “não é suficiente para ninguém”.

“Indiscutivelmente, a comunidade portuguesa está muito afetada. A indústria da panificação, um dos setores alimentares que os portugueses gerem no país, está muito afetada. Pode-se ir a algumas padarias e ver tudo com muito bom aspeto, com bons produtos, mas muito caros e inacessíveis, mas 80% dos padeiros da nossa comunidade não têm assim as padarias”, disse.

Segundo Leonel Moniz, os portugueses que trabalham noutros tipos de empresas “também têm encontrado enormes dificuldades”, em áreas como a “da gasolina, peças sobressalentes, pneus, telecomunicações” e inclusive os médicos lusodescendentes tiveram de baixar os preços das suas consultas.

O conselheiro referiu ainda que o stock de algumas empresas está a esgotar-se e os empresários não têm dinheiro suficiente para investir e repor os produtos.

“A Venezuela está a passar por mudanças (…) isto não significa que a economia tenha melhorado. Não. Houve mudanças, digamos que alguma melhoria, em aspetos como a alimentação e os serviços, que se tinham agravado no país, a começar pela eletricidade, o gás e a água e outras coisas”, explicou.

No entanto, sublinhou, a nível económico, “dificilmente se pode dizer que tenha havido uma melhoria porque a banca venezuelana não melhorou realmente. A banca venezuelana está paralisada. Não há créditos, não há poupanças, nada que encoraje o bolívar, a moeda venezuelana”.

Leonel Moniz acrescentou o Estado implementou um novo imposto de 3% sobre as transações em moeda norte-americana, o que tem levado a uma redução das vendas.

Sobre a pandemia da covid-19, explicou que há “um pouco mais de tranquilidade”, devido aos cuidados que a população teve e ao programa local de vacinação, o que permitiu que as lojas agora estejam abertas durante mais horas.

Por outro lado, o conselheiro precisou que a maior parte dos centros portugueses retomaram as atividades desportivas e sociais, mas com menos elementos porque a situação económica forçou muitos cidadãos a voltar para Portugal ou a ir para outros países europeus e para o continente latino-americano.

Mas, “há que estar consciente que nem todos os lusodescendentes viajam para Portugal […] porque muitos têm dificuldades na aprendizagem do idioma e muitas carreiras profissionais não são reconhecidas homologadas em Portugal, o que é lamentável”, referiu.

Segundo Leonel Moniz, a visita do secretário de Estado “é importante, neste momento” pois “a comunidade necessita de ter uma relação pessoal com os seus políticos”.

“Espero que o nosso secretário de Estado possa ouvir os profissionais de diferentes áreas, porque as suas carreiras poderiam ser um pouco mais aceites”, disse, exemplificando que Portugal precisa de médicos e dentistas e que o Estado português permite que profissionais da área, cubanos, trabalhem, sem ter de aprender a língua portuguesa”.

Paulo Cafôfo inicia hoje uma visita à Venezuela, enquadrada na iniciativa “Portugal no Mundo: Caminhos para a Valorização das Comunidades Portuguesas” e que tem como objetivo de “reforçar laços” e aproximar os portugueses residentes no estrangeiro aos que vivem em Portugal.

Hoje, primeiro dia desta deslocação, o secretário de Estado terá um encontro com a comunidade portuguesa na Casa Portuguesa do Estado de Aragua e na sexta-feira visita locais onde decorrem consultas médicas em Los Teques e aulas de português e instalações do Centro Português de Caracas, entre outros encontros.

O secretário de Estado irá no domingo visitar as instalações do Santuário de Nossa Senhora de Fátima, em Carrizal, e, no dia seguinte, o Lar Padre Joaquim Ferreira.

A comunidade portuguesa na Venezuela conta com mais de 225 mil cidadãos nacionais, segundo as inscrições consulares.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1063 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia