Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sábado, 04 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Sondagem

Os vacinados devem ter prioridade no acesso aos cuidados de saúde em relação aos não vacinados?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Covid-19: CDS-PP quer ouvir na AR responsáveis dos cinco maiores bancos em Portugal



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) - O CDS-PP pediu hoje a audição parlamentar urgente dos responsáveis dos cinco maiores bancos em Portugal para avaliar os apoios dados às empresas e famílias e a sua rapidez, no âmbito da pandemia de covid-19.

Num requerimento hoje entregue nas comissões parlamentares de Finanças e de Economia, os democratas-cristãos pedem a audição da Caixa Geral de Depósitos, do Millenium BCP, do Santander Totta, do BPI e do Novo Banco.

"O objetivo destas audições é perceber se as linhas de crédito que foram criadas pelo Governo para apoiar as famílias e empresas são suficientes, ou se é preciso mais, e perceber se bancos estão disponíveis para apresentar aos seus clientes o 'spread' mínimo", explicou o deputado João Gonçalves Pereira, em declarações aos jornalistas no parlamento.

O deputado do CDS-PP salientou que, depois de a banca ter tido reuniões com o Presidente da República, "chegou o momento de o parlamento os ouvir".

"Com uma preocupação central: saber da rapidez com que esses créditos vão chegar as empresas e famílias. Há um problema de tesouraria nas empresas, há um problema de liquidez nas famílias, diríamos que é urgente, urgente, urgente que esse dinheiro possa chegar a quem mais precisa", defendeu.

A banca assumiu hoje o "compromisso inequívoco de apoiar a economia portuguesa" face à crise provocada pela pandemia e, além da agilização dos apoios públicos anunciados pelo Governo, comprometeu-se a apresentar soluções de financiamento "da sua própria iniciativa".

Num comunicado conjunto emitido na sequência da reunião de segunda-feira com o Presidente da República, e ao qual a agência Lusa teve hoje acesso, o BPI, Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Novo Banco e Santander assumem o "compromisso inequívoco de apoiar a economia portuguesa", afirmando-se "cientes de que a recuperação do tecido empresarial é essencial para o funcionamento da vida em sociedade e para o futuro e solidez dos próprios bancos, que para além da crise terão que continuar a servir a economia".

Neste contexto, garantem que, "respeitando todas as orientações da Direção-Geral da Saúde, vão permanecer com elevado número de sucursais abertas ao público, de forma a assegurar a agilização dos apoios públicos e privados e a garantirem a inclusão de todos os cidadãos".

Sem prescindir "do necessário rigor", nem "pôr em causa os interesses e a segurança dos depositantes", os bancos comprometem-se ainda a implementar moratórias e acelerar a chegada de fundos no âmbito dos apoios públicos às famílias e às empresas.

Paralelamente, e "além dos apoios públicos, os bancos estão e vão continuar a apresentar soluções de financiamento da sua própria iniciativa, cujo desenho e disponibilidade terão em consideração a evolução da pandemia e as suas implicações nas diversas atividades económicas".

No comunicado, a banca assume o "forte compromisso" em colaborar "com o Presidente da República, com o Governo e com as instituições relevantes na frente económica na procura e na implementação das soluções mais adequadas para apoiar os cidadãos portugueses e os que residem em Portugal neste momento tão difícil que o país atravessa".

Ao início da noite de segunda-feira, em declarações aos jornalistas no Palácio de Belém, em Lisboa, após a reunião (que decorreu por videoconferência), o chefe de Estado disse que a banca mostra "grande mobilização no sentido de ajudar a economia" e prepara-se para comunicar aos portugueses a sua posição sobre a resposta à crise provocada pela pandemia de covid-19.

Marcelo Rebelo de Sousa referiu que a banca está a tomar "iniciativas próprias, completando as medidas aprovadas pelo Governo", e tem "sugestões concretas" a apresentar.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 221 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia