Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sábado, 16 outubro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Covid-19: “Sucesso” no primeiro dia de vacinação no São João no Porto mas segurança continuará



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) – O presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de São João (CHUSJ), Fernando Araújo, vincou hoje, dia marcado pelo arranque da vacinação contra a covid-19, que “o sucesso do processo” não significará uma redução da segurança.

“Hoje foi um dia de confiança e de esperança. Tínhamos programado algo ambicioso e difícil: vacinar 2.125 profissionais [de saúde]. E depois de um dia que foi longo, conseguimos vacinar 2.125 profissionais (…). Isto não nos impele a reduzir a segurança do processo. Vamos e temos todos de manter as normas de segurança que são necessárias para cumprir com o objetivo de imunidade que a todos nos motiva”, disse Fernando Araújo.

Em jeito de balanço, mas também de apelo, o presidente do conselho de administração do CHUSJ – que falava aos jornalistas ao lado da cadeira onde esta manhã recebeu a vacina o médico infecciologista António Sarmento, o primeiro português a ser vacinado contra a covid-19 – descreveu que “não foi registada nenhuma reação adversa grave” e apenas “seis ou sete casos de reações ligeiras”.

“Esta vacina é segura. Estamos confiantes. Hoje foi um dia feliz, um dia em que sentimos que estamos a ganhar a guerra contra este vírus”, vincou Fernando Araújo.

Hoje foram vacinados no Hospital de São João, no Porto, mais de 2.000 médicos, enfermeiros, assistentes operacionais e técnicos de diagnóstico e terapêutica de serviços referenciados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) naquele hospital.

Este número corresponde a cerca de 30% do universo total de profissionais de saúde do CHUSJ e a “cerca de metade” do número de pessoas elegíveis por serem consideradas “grupo prioritário”.

Fernando Araújo referiu que agora o hospital preparará a operação relativa à segunda toma, agendada para 17 de janeiro, também a um domingo, e mostrou-se “confiante” de que a restante população hospitalar terá acesso à vacina “o mais breve possível”.

“Esperamos que seja muito em breve. Hoje, a senhora ministra [da Saúde] disse exatamente isso e exatamente neste local onde nos encontramos. Disse que muito em breve teremos vacinas para vacinar todos os profissionais que o desejem”, referiu o responsável.

Isto porque, reconheceu o presidente do conselho de administração, “a pressão sobre o hospital vai continuar”, uma vez que “poderá haver um aumento de incidência, fruto eventualmente de um contacto social maior da época [de Natal]”.

“Estamos preparados para todas as eventualidades. Acredito que o pior já passou”, disse.

Questionado sobre se o CHUSJ está disponível para “emprestar” instalações a eventuais “megaoperações” de vacinação semelhantes, mas dedicadas à comunidade em geral, Fernando Araújo foi perentório na resposta: “O hospital é de todos. Estamos disponíveis para o que o SNS [Serviço Nacional de Saúde] precisar e o Ministério da Saúde pedir. Hoje foi um teste que correu com sucesso”.

Enquanto falava à imprensa, ladeavam Fernando Araújo o diretor dos Serviços Farmacêuticos, Pedro Soares, o diretor do Centro de Ambulatório, Xavier Barreto, o diretor da Unidade Autónoma de Gestão de Urgência e Medicina Intensiva do Hospital de São João, Nelson Pereira, a diretora clínica do CHUSJ, Maria João Baptista, o diretor do Serviço de Saúde Ocupacional, Pedro Norton, a enfermeira supervisora, Paula Costa, bem como a diretora do Centro de Gestão de Informática e Serviço de Sistemas de Tecnologias, Informação e Comunicação, Maria João Campos.

Fernando Araújo agradeceu “o esforço enorme” a todos os profissionais que estiveram envolvidos na operação, num total superior a uma centena, enumerando serviço a serviço, sem esquecer o papel dos voluntários.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,7 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 6.556 em Portugal.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

À semelhança de outros países da União Europeia, em Portugal a vacina é facultativa, gratuita e universal, sendo assegurada pelo Serviço Nacional de Saúde.

Os profissionais dos centros hospitalares universitários do Porto, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central foram os primeiros a ser vacinados.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 143 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia

Ad Bottom