Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

L'Isle-sur-la-Sorgue. A recordação de gente servil

IDT-N°/ : 4644

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

            L’Isle‑sur‑la‑Sorgue, haut lieu do negócio de objetos antigos, é uma terra provençal retalhada pelo rio Sorgue e seus braços. Em virtude da omnipresença da água e da localização no Comtat Venaissin, intitularam‑na de Venise Comtadine. A iconografia local destaca as rodas de água — em tempos idos, rodas da fortuna dos tecelões —, o atavio barroco da colegiada de Nossa Senhora dos Anjos, os nego chin — batéis de fundo chato e nome bruto alusivo ao afogamento de cães resultante da diminuta estabilidade das embarcações, apetrecho dos pescadores de outrora e hoje artefacto para turista ver — e o palacete Donadeï de Campredon, também digno de visita por receber, aquando da nossa passagem, uma mostra com fotografias de Jessica Lange (sobretudo imagens do México, que ela gostava de fotografar «for its lights and wonderful nights»). O bairro onde os judeus viveram não se presta a carta postal e recorda os juifs du Pape, adstritos aos territórios dos Estados Pontifícios (como o Comtat Venaissin). No referente a sinais da sua presença, só dei por um, a placa que assinalava a Écurie Abraham. Em L’Isle‑sur‑la‑Sorgue, os restaurantes turistificaram‑se e frustram propósitos de gastronomia distintiva. Preços de época alta e anseios de funcionalidade determinaram que eu e a minha parceira nos alojássemos no hotel Les Névons, poiso de conforto monótono encimado por uma piscina muito agradável depois de passeios sob calor de ananases.

            Chegámos a L’Isle‑sur‑la‑Sorgue moídos, já a tarde se aproximava do fim. Contumaz desejo de aprender, sempre apto a furar o envoltório de fadiga, levou‑nos a entrar no bonito edifício provençal da fundação Villa Datris. Na exposição aí aberta ao público, demorei‑me diante de Woman, look at you, uma escultura de mulher com o busto prono, obra de Awena Cozannet na qual percebi servilismo e poltronice. Recordei‑me, em particular, do meio académico, de quem lá se alhana, do assistente universitário que, através da janela, vi de cócoras — leu bem: de cócoras — no gabinete de um catedrático apreciador de sabujos. Mais tarde, soube que o trabalho foi feito no Bangladeche: Cozannet impressionou‑se com as difíceis condições de labuta das locais e quis, por meio da escultura, homenagear as mulheres. A arte gera interpretações díspares; a que fiz represou num busto inclinado aquela parte do universo académico que, em boa medida, carcomeu a minha crença generosa nas motivações do ser humano.

            Numa crónica saída à luz no Jornal do Brasil em 16 de novembro de 1968, Clarice Lispector deu notícia da «dor de museu», uma dolência no ombro esquerdo que só lhe aparecia quando, nos museus, caminhava e parava defronte dos quadros (a autora aventou a hipótese de se tratar de uma «dor de emoção»)[1]. Pelo que li na obra de Cozannet, fui acometido, enquanto percorria as salas da mostra, de dor de repulsa, do descompasso que me apoquentava na universidade, nos seus corredores onde via um ror de gente mover‑se a rojo. E lembrei‑me da solidão que neles sentia, muita vez mais acerba do que a ressumbrante das susoditas fotos de Jessica Lange.

            Em Feuillets d’Hypnos, atos de rechaço do assenhoreamento nazi datados de 1943 e 1944, René Char, escritor e membro da Resistência, natural de L’Isle‑sur‑la‑Sorgue, disse que não escreveria poema de aquiescência[2]. Em meios cediços, eu tampouco o fiz: sempre que deixava de ser possível resistir, afastava‑me.

[1] LISPECTOR, Clarice, Todas as crónicas, prefácio de Marina Colasanti; organização e posfácio de Pedro Karp Vasquez, Lisboa, Relógio D’Água Editores, 2018, p. 127.

[2] CHAR, René, Feuillets d’Hypnos, dossier de Marie‑François Delecroix; lecture d’image de Alain Jaubert, [s.l., mas impresso em Barcelona], Éditions Gallimard, 2018, p. 37.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Colaborador convidado
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
 
Paulo Pego nasceu em 1967, em Barcelos (Portugal). É doutor em direito, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e jurista-linguista do Conselho da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica). 

Publicou livros e artigos jurídicos e faz palestras sobre temas relacionados com a União Europeia. 

Paulo Pego é autor dos livros de poesia À Senoite (2009), A Lógica dos Corais (2013), Le Sel (2013), Livro das Pedras (2014) - publicados pela Orfeu (Bruxelas) -, Poesia (2014), Em Forma (2014) - publicados pela Anome Livros (Belo Horizonte, Brasil) –, Viagem (2015) – Editora Licorne –, Vida sem Demão (2015) – Editora Labirinto – e Entre-Tecidos (2016; textos de Paulo Pego e obra plástica de Sónia Aniceto) – Editora Licorne.

Publicou contos e traduziu para português poemas de Ada Christen e de Francisca Stoecklin. Participou igualmente em exposições de fotografia.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

From Vimeo
Je viens de mettre en ligne « StudioChienMarin » sur #Vimeo : https://t.co/Snxyeb7uq4
From Vimeo
Je viens d'ajouter « StudioChienMarin » à luso sur #Vimeo : https://t.co/PxzbwmFPWX
From Vimeo
Je viens d'ajouter « StudioChienMarin » à LusoProductions sur #Vimeo : https://t.co/JXmo8GZgC7
Follow Jornal das Comunidades on Twitter