domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:46 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:90 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:176 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:370 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:165 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:171 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:518 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:430 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:101 Opinião

A Outra Cena da Filosofia





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


A constituição do espaço simbólico, é decifrada pela queda da tragédia, no espaço reproduzido e idealista da representação contemporânea do idealismo metafísico, conotação ética, redução de toda a representação à horizontalidade do visível. É necessário refazer o trajeto oculto da própria criação das línguas, a genealogia da representação e da imitação dá início à questão final da consciência e do saber.

Seja no campo do “SER” ou do “NADA”, do cogito, da substância ou do sujeito, a decifração genealógica põe a claro, camadas textuais imbricadas. Na perspetiva genealógica Nietzschiana, desenha-se uma sequência inédita, no sentido do desmantelamento da coerência idealista do discurso filosófico, a superfície dos seus significados, e o princípio da sua articulação.

O trabalho de intertextualidade filosófica tem de passar por outras cenas. O obscuro conhecimento dos fenómenos psíquicos, reflete-se na construção de uma realidade suprassensível, no sentido de tornar a metafísica numa metapsicologia.

A Genealogia da Moral, questiona com profundidade o idealismo filosófico, numa perspetiva do processo de desenvolvimento do saber, qualquer que ele seja. Com efeito, a genealogia dos saberes não reside no discurso metafísico, na medida em que este se limita a repensar o que anteriormente foi pensado, ou seja, a Filosofia será como um círculo vicioso, que depois de percorrer um longo e milenar caminho, nada de novo descobriu.

As leis foram transmitidas por Deus, e o seu cumprimento assenta na tradição. Os conceitos são meras metáforas, refundidas tantas vezes quantos os sistemas que os abordaram. Enfim, as coisas só se tornam visíveis depois de lhes serem dados nomes.

Na verdade, o homem de qualquer época, de qualquer religião ou raça, evoluiu ao longo dos séculos, graças à sua capacidade de construir o seu próprio mundo, no qual tem buscado, incessantemente, uma verdade absoluta, e que só a poderá encontrar: se tiver um projeto de salvação coletivo; num ideal comunitário de bem-comum; num projeto de felicidade universal, em completa liberdade; numa aproximação ao outro, que com ele se relaciona, mas que o transcende, que o ilumina, mas não se desvela. 

Bibliografia

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm, (1976). A Genealogia da Moral. 3ª Edição. Tradução, de Carlos José de Meneses. Lisboa: Guimarães & Cª Editores

Luso.eu - Jornal das comunidades
Diamantino Bártolo
Author: Diamantino BártoloEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1540 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia