Trabalhador a força reivindicativa do progresso



O “Dia do Trabalhador”, comemorado no primeiro de maio, principalmente nos países democráticos, constitui um marco histórico na libertação da mulher e do homem: da escravatura salarial, da prepotência patronal e da reivindicação por melhores condições de trabalho, com garantias de uma velhice tranquila e materialmente confortável, porque ninguém deve iludir-se quanto ao futuro que, salvo alguma situação imprevisível, a maioria deseja atingir idade provecta, e usufrui-la com dignidade.

Neste “Dia do Trabalhador”, convém recordar que ele, em qualquer atividade profissional, é parte da máquina do progresso, cada um contribuindo com a sua quota-parte de tempo, de conhecimentos e de experiência, sem o que: cada empresário, patrões, chefias e outros interventores de topo, não teriam sucesso, ou então não continuariam a progredir numa determinada carreira.

Verifica-se que nem sempre haverá solidariedade dos trabalhadores no ativo, para com os colegas reformados. Raramente ocorre uma greve, ou uma qualquer outra forma de luta, dos trabalhadores ainda em funções, a favor daqueles que, atualmente, aposentados, vivem com magras reformas. Esta mentalidade, que poderá revelar falta de solidariedade e desconsideração pelos ex-colegas, em nada favorece a imagem de quem está no ativo que, afinal, também descartam aqueles que, eventualmente, no passado os tenha ajudado a entrar para a sua empresa, para a função pública, enfim, os tenha apoiado  para obterem um emprego., na gíria popular, aqueles que em tempos “meteram a cunha”.

O “Dia do Trabalhador” também deve ser aproveitado, não só para manifestações, como também para refletir na situação que tendo sido trabalhadores, agora, grande parte, estão votados ao ostracismo. Neste dia, feriado nacional, consagrado ao trabalhador, não se pode ignorar, pelo contrário, quem trabalhou uma vida inteira e contribuiu para um país melhor, sofrendo na pele, quantas vezes, a humilhação, a repressão, a perseguição, para que hoje se possa comemorar este dia. Seria bom que nenhum trabalhador esquecesse o passado de seus avós, pais, parentes, amigos e conhecidos.

A comunhão intergeracional, agora mais do que nunca, é essencial para se revelar respeito, carinho e consideração pelos nossos entes queridos que tanto nos ajudaram, quantas vezes, a sermos alguém na vida. Nós, os “velhos”, ou mais suavemente, os da “terceira idade” ou, ainda, diplomaticamente, os “seniores”, tal como dizia o Papa Francisco, não podemos ser “descartáveis”.

A nossa missão

Comunidades

28-maio-2024

Juventude Portuguesa de Bruxelas participa na maratona …

No passado domingo, 26 de Maio, a associação desportiva sem fins lucrativos participou pela primeira vez na Maratona dos 20Km d

26-maio-2024

Projeto Os 230 encontra-se com jovens em …

O projeto Os 230 organizou este sábado um encontro entre jovens no Café Portugal, para um debate informal sobre os maiores desa

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.