Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
segunda-feira, 24 janeiro 2022

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Discriminações provocadas pela Pandemia



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Algumas dificuldades, na entrega dos corpos têm acontecido, dada a quantidade de mortes diárias, mas um facto, demasiado cruel terá ocorrido recentemente: Duas senhoras terão dado entrada no hospital. As identificações estavam trocadas. Uma delas viria a falecer e o facto comunicado à família que, depois do velório, sem ter visto o corpo, ordenou a cremação. Entretanto, a senhora que supostamente teria falecido, afinal estava viva, o que motivou uma grande alegria à família.

A certidão de óbito terá sido emitida a esta pessoa que, afinal, estava viva. As cinzas de senhora que foi cremada, foram devolvidas à família verdadeira. Agora há toda uma questão jurídica para resolver, possivelmente, no Ministério Público. Responsáveis por esta troca de identidade, quem são? Porque razão as urnas são entregues fechadas e não têm um espaço, na tampa, ao menos para se ver o rosto da pessoa falecida?

Um outro aspecto muito preocupante, reporta-se a situações de doentes com diversas patologias: cancerosos, diabéticos, epiléticos, obesidade, doença pulmonar obstrutiva Crónica, doenças cardiovasculares, doenças do foro neurológico, hipertensão, asma, doenças reumáticas, visão, entre outras, que não estarão a ser acompanhados com a rapidez e assiduidade que as mesmas exigem.

A desprogramação das atividades ditas normais, inclusive as consultas de rotina e/ou de urgência estão com atrasos da ordem de alguns meses, o que conduz à morte de muitos dos doentes, que aguardavam uma consulta, uma intervenção cirúrgica ou uma simples prescrição de medicação.

Neste tempo “pandémico”, em que milhares de profissionais de saúde, forças armadas e de segurança, autarquias, bombeiros, cidadãos voluntários, que ajudam no que podem e sabem, todos estão da denominada “linha da frente”, embora uns mais expostos do que outros: médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico, assistentes operacionais,  que lidam com os doentes, diariamente, e, muitos profissionais, acabam, também eles, por serem infetados, transmitindo às próprias famílias a doença e, mais ainda, muitos destes “heróis”, desta linha da frente, sucumbem à doença.

Algo mais, as entidades competentes têm e devem fazer, para a salvaguarda do maior número possível de pessoas infetadas pelo COVID-19, como ainda por aqueles cidadãos, com diversas patologias que aguardam há longos meses, uma intervenção do Serviço Nacional de Saúde, porque, efetivamente, “ninguém pode ficar para trás”, embora se assista, quase diariamente, que muitas destas pessoas, acabam por falecer, nas suas próprias residências, precisamente, porque afinal, “ficaram mesmo para trás”, por falta de assistência médica, medicamentosa ou intervenção cirúrgica atempada.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Diamantino Bártolo
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 358 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia