Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
domingo, 17 outubro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Estados Unidos da América e o resto do Mundo



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

O final do mandato de Trump no início de 2021 teve um final trágico, com um ataque ao capitólio que chocou o mundo inteiro e, infelizmente, vitimou 5 pessoas.

Foi um mandato sobretudo marcado por terminar unilateralmente variados acordos internacionais como o acordo nuclear com o Irão, que prejudicou empresas europeias (A total perdeu um contrato de 4.1 mil milhões de euros), ou o acordo de Paris impactando o futuro de gerações vindouras, além da saída da Organização Mundial de Saúde e da UNESCO, etc... E por outro lado, em criar parcerias ou entendimentos inesperados com a Rússia de Putin ou a Coreia do Norte de Kim Jong-un, além de um escalar de conflito com o seu atual maior rival económico a República Popular da China.

Atualmente com o Presidente Biden no cargo máximo, apesar dos EUA terem voltado ao acordo de Paris, à OMS e ao Conselho dos Direitos Humanos na ONU, a verdade é que os EUA não mudaram muito a sua política externa, mantendo sempre os seus interesses em primeiro lugar e não aparentam mostrar sinais de redução nas tensões com a China, além de continuarem a aumentar desconfiança na sua relação com antigos aliados.

Desde que Biden tomou posse 3 assuntos particularmente notáveis tiveram lugar e que levaram a reações marcantes por parte da União Europeia :

- Em final de fevereiro a Presidente da Comissão Europeia, Von der Leyen, criticou o facto dos EUA terem colocado em funcionamento sistemas para bloquearem a exportação de vacinas.

- Saída apressada e caótica do Afeganistão, assim como a falta de aconselhamento e apoio a países aliados, além dos afegãos que ajudaram e colaboraram com as nações europeias.

- O acordo trilateral denominado por AUKUS que deixou a França e os seus aliados europeus indignados pela maneira como foram tratados.

Relativamente ao último evento, e mais recente, as reações têm sido diversas. Desde o ministro dos negócios estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, a apelidar como uma verdadeira «facada nas costas», ao ministro Francês Clement Beaune que o Reino Unido era um «vassalo» dos norte-americanos, a variados diplomatas que se revelaram receosos com um afastamento, ainda maior, entre Paris e Washignton.

Na União Europeia a maioria dos países, Portugal incluído, mostraram-se solidários com a República Francesa e Thierry Breton, Comissário europeu para o mercado interno, já avisou que «Há claramente na UE o sentimento crescente que algo está danificado nas relações transatlânticas.», referindo que «é verdade que ouvimos algumas vozes na UE que acham que provavelmente após o que se passou nos últimos dois meses, seria uma boa ideia reavaliar tudo o que fazemos, e a nossa parceria.»

Parece que a crise não é exclusiva a questões económicas - o contrato dos submarinos envolvia cerca de 31 mil milhões de euros - como alguns analistas possam crer, pois Breton afirmou que « é bastante claro o que podemos e poderemos levar aos EUA, todavia nem sempre é claro o que os EUA nos podem trazer.»
Como se pode reatar uma relação quando a França acusa os EUA de traição, Austrália de duplicidade e Reino Unido de oportunismo ? A Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, já afirmou que não se pode continuar com “business as usual”, «pois um dos Estado-Membros foi tratado duma maneira inaceitável.»

Como irá a União Europeia reagir tendo em conta que ainda há questões essenciais a tratar relativamente ao Brexit, nomeadamente à Irlanda do Norte, além da política de migrantes com a crise afegã, ou a sua estratégia na região Indo-Pacífico ?
Certo é que o caldo está entornado, pois as regras do jogo parecem ter sido alteradas, já que enquanto é normal tentar obter vantagem em acordos que estão em negociação, é algo totalmente diferente cancelar acordos que foram assinados entre parceiros e países que se consideravam amigos.a

Luso.eu - Jornal das comunidades
Bruno Paiva
Author: Bruno Paiva
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 198 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia