domingo, 26 junho 2022

Dinamite

Jun. 21, 2022 Hits:45 Opinião

UM NOVO DEUS (Crónica)

Jun. 21, 2022 Hits:89 Crónicas

A cidade desperta

Jun. 15, 2022 Hits:175 Crónicas

Quantos dias tem a semana

Jun. 05, 2022 Hits:366 Crónicas

Aventuras (Crónica)

Jun. 02, 2022 Hits:164 Crónicas

A Outra Cena da Filosofia

maio 30, 2022 Hits:170 Crónicas

Na terra dos gnomos

maio 30, 2022 Hits:517 Crónicas

O Futuro é a Europa

maio 26, 2022 Hits:429 Opinião

Do Dia da Europa aos desa…

maio 25, 2022 Hits:100 Opinião

PCP (Partido Cumplicemente Putiniano)





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


No primeiro artigo que escrevi sobre a guerra na Ucrânia disse que aquilo que parecia ser impossível acontecer em pleno Séc. XXI na Europa, infelizmente, está a acontecer, uma guerra.

E escrevi isso tendo por base algumas ideias que me levavam a sustentar esse pensamento. A primeira ideia assenta na racionalidade do ser humano, ou seja, o homem é um ser racional e como tal, tomará as decisões que considera mais racionais. Na minha modesta opinião, a guerra não faz parte da racionalidade humana. 

A segunda ideia prende-se com o facto de, contrariamente aos animais - que quando nascem - já nascem com todas as respostas que necessitam para viver, o homem não.  Só o homem vai à escola. Só ele precisa de aprender a viver, só ele goza de liberdade para escolher o seu caminho, para escolher a melhor forma de viver e, aqui, também me parece a guerra não ter lugar. 

A terceira ideia prende-se com a história europeia e a destruição que a IIª Guerra Mundial provocou na Europa. Estas três ideias levavam-me a pensar que não seria possível, em pleno Séc. XXI, uma guerra na Europa. Na minha análise, passou-me ao lado que certos humanos vivem na mais pura das irracionalidades que nos levou a esta Guerra. 

Uma guerra imperceptível pelo que anteriormente escrevi, e ainda mais quando a Ucrânia em 1994, assinou o memorando de Budapeste – entregando o seu arsenal nuclear à Rússia - em troca de um tratado de paz e da garantia de nunca ser invadida ou ameaçada. Pelos vistos, para Putin, os acordos existentes têm o mesmo valor que para António Costa. 

O facto de, infelizmente, existirem neste mundo seres irracionais, não faz da espécie humana uma manada de irracionais. Esses são, felizmente, uma excepção. E assim, seria de esperar que quando o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, interveio na Sessão do Parlamento Nacional, todos os partidos apoiassem tal iniciativa. Mas não, infelizmente, também por cá a irracionalidade tem os seus representantes, neste caso o Partido Comunista Português (PCP). 

Esta representação gosta de se apresentar como os grandes defensores da liberdade e apelida de fascistas a tudo o que pensa diferente deles. No fundo não passa, na boa tradição comunista, de um conjunto de democratas de pacotilha pois, assim que tomam o poder, tudo isso desaparece e passam a instituir o partido único, a bufaria, a miséria, o medo, o terror, a obediência cega ao partido, o reescrever da história, etc.

 Era isso que o PCP queria fazer em Portugal após a revolução do 25 de Abril de 1974. Esses democratas de pacotilha queriam aproveitar a revolução de Abril para instituírem em Portugal o regime ditatorial da ex. URSS, o que só não aconteceu graças ao contra-golpe do 25 de Novembro de 1975.

Os animais quando nascem, nascem irritantemente animais. Quando nascem, já nascem com todas as respostas que precisam para viver. Os animais não inventam, não criam, não improvisam, não inovam, não empreendem. Não há nada na sua vida que não esteja previsto na sua natureza. 

Para o PCP, Estaline continua a ser o sol da verdade nacional; os Gulag, um filme de ficção científica; Holomodor, um romance; as ocupações soviéticas, um mito urbano e uma invenção fascista. 

Tal como os animais, que nascem irritantemente animais, o PCP nasceu irritantemente comunista. Os comunistas já nascem com todas as respostas que precisam para viver. Não inventam, não criam, não improvisam, não inovam, não empreendem. Não conseguem pensar fora da cartilha com que nasceram.

Só assim se percebe que continuem a apoiar Putin.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Fernando Vaz Das Neves
Author: Fernando Vaz Das NevesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 784 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia