Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

"É necessário assegurar a diversidade geográfica da abertura das mesas de voto", Pedro Rupio

Convide os seus amigos

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


Assegurar a diversidade geográfica das mesas de voto e a existência de mais modos de votação, são algumas das recomendações enviadas esta semana por Pedro Rupio, Presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa, à Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, tendo em conta as próximas eleições presidenciais, que se realizam em janeiro de 2021. 

No documento enviado a Berta Nunes, Pedro Rupio referiu que com a implementação do recenseamento automático, o número de votantes passou de 28.354 em 2015 para 158.252 votantes em 2019”, acrescentando que quando existem condições, as Comunidades Portuguesas participam no ato eleitoral. 

“No entanto, o Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa teme que muito dificilmente se conseguirá atingir os mesmos níveis de participação nas eleições presidenciais que irão decorrer em janeiro de 2021, para as quais cerca de 1,5 milhões de portugueses residentes no estrangeiro irão poder votar de forma presencial nos Consulados e Embaixadas dos países de residência”, refere o documento. 

Apesar do aumento de 400% do universo eleitoral dos portugueses residentes no estrangeiro, fruto da implementação do recenseamento automático, Pedro Rupio considera que este incremento não foi acompanhado de medidas que visassem o aumento do desdobramento dos locais de votos.

Por essa razão, o Presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa considera que nas próximas eleições presidências é necessário assegurar a diversidade geográfica da abertura das mesas de voto, “sob pena de se observar novamente uma elevada abstenção, assim como uma baixa participação em número de votantes”.

No documento, Pedro Rupio recomenda ainda que “a publicação dos editais, com a informação sobre as mesas de voto e os horários, seja feita com a máxima antecedência possível, de forma a evitar as dificuldades logísticas que ocorreram no estrangeiro aquando das últimas eleições europeias de maio de 2019”.

Por fim, o Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa defende que a existência de mais modos de votação, “não somente por correspondência, mas igualmente através do voto eletrónico descentralizado”.

Rúben Castro
Jornalista da luso.eu CC46 A
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

 Entre em contacto : Rúben Castro Perfil: Info

Nascido em 1990, no Funchal, estudou Ciências da Cultura na Universidade da Madeira e Jornalismo na FCSH/Universidade Nova de Lisboa. Neste momento vive em Bruxelas, onde colabora com vários órgãos de comunicação social. É um dos 55 Embaixadores da Juventude da ONE na Bélgica, uma ONG focada no combate à pobreza extrema e às desigualdades.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

EU APOIO O Luso.eu

Últimos Tweets

COVID-19: Caminha desce um patamar no risco de incidência https://t.co/S6wcQPaDYr
COVID-19: Caminha desce um patamar no risco de incidência https://t.co/dk5855voj2
Federação Colombiana de Futebol anuncia saída do treinador português Carlos Queiroz https://t.co/NGeQ1RfcAq
Follow Jornal das Comunidades on Twitter