Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Antes complica, atrasa e revolta quem precisa de recorrer àquele serviço público. A forma é no mínimo caricata… As pessoas escusam de comparecer no Consulado para serem atendidas, sem previamente terem marcado a sua vez… Por internet! Mesmo assim o tempo de espera é exorbitante. E não adianta telefonar... A tudo isso junta-se uma declarada e assumida falta de recursos humanos.

O encerramento dos Consulados honorários de Antuérpia e Liège, vieram agravar ainda mais esta calamidade burocrática, aqui no coração da Europa. A comunidade em si, continua a crescer. Há preocupações que se vão agravando, nomeadamente a redução de efetivos. Mais do que as promessas e/ou boas intenções, nesta fase e atendendo ao que se vive localmente, urge tomar medidas concretas. Esta gente que recorre a tais serviços merece outra sorte, outro tratamento e atenção. A comunidade que somos, ordeira e responsável, tolerante e paciente, precisa dos meios e maneiras adequados, para a resolução dos seus diversificados afazeres dependentes do Consulado. Acreditamos no bom senso de Lisboa, do ministério dos Negócios Estrangeiros.

Portugal não pode olhar para isto e ficar indiferente. Estamos em crer que esta passagem por Bruxelas do Sr. Secretário de Estado, foi decisiva para uma séria avaliação e consequentes medidas de reparo. Pelos portugueses, pela comunidade de acolhimento e pelo prestígio de Portugal.

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.