Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 

Mudar de ares, como se diz. Férias, um direito com muitos deveres e cautelas à mistura, tanta é a diversidade na ocupação e gestão de um tempo propício e vocacionado para o sossego. A sociedade de consumo montou esquemas de sedução que arrastam e consomem! Está assim aberto o caminho para a eufórica atitude dos exageros, que contrapõem o sentido e objetivos de umas boas férias! Nunca os abusos e excessos foram bons conselheiros. Nestas férias vai ser preciso moderar, refletir, escolher.

Fazer diferente para melhor, também ao nível das relações com aqueles partilham as esferas da nossa vida e de quem tantas vezes nos arredamos; os amigos, mas também a família! É estranho e até vergonhoso, que numas férias não se encontre o tempo e a disposição para o encontro com a família! É desumano não fazer essa ligação dos afetos, da tradição e dos valores que comportam o seio alargado de uma família! Há casos e situações que nos deviam fazer pensar seriamente, até pela nossa condição de fragilidade humana.

Qualquer separação é em si mesma, portadora de melancolias e mágoas que balizam e determinam; o golpe dado deixa marcas, tantas vezes irreversíveis! Daí a necessidade de alterar rotinas e atitudes, dando cumprimento com algum rigor, a um dever que pode ser testemunho: os pais têm a missão de transmitir aos filhos, a riqueza e a força da dedicação e do reconhecimento no seio familiar! Uma família que não comunica, que esquece e se afasta do diálogo está sentenciada a uma vida vazia, insipida, cruel! Por muito mal ou incompreensões que tenham havido, nada justifica o afastamento, a indiferença e/ou desprezo! E quase sempre por causa do dinheiro, das partilhas mal feitas, dos ciúmes e outras corrosivas rivalidades… Quase sempre por questiúnculas banais e sem nexo, que roçam o ridículo! Carregam-se fardos pesados, tortura-se a mente, vive-se em sobressalto…

Houvesse algum benfeitorizo, retorno ou vantagem! Só no respeito pelas diferenças, na tolerância e na compreensão se podem encontrar caminhos novos de aproximação e sadia convivência. Não podemos deixar que o orgulho vença a humildade; nem que a rivalidade fique por cima, sufocando a honra e a dignidade! A verdade e a razão virão ao de cima e depois pode ser tarde…

De nada servirão as lamentações, quando, em tempo devido, se alertaram as consciências para a mudança e atendimento apropriado. Pensem nisso e procurem interagir… vale a pena!
Nestas férias altere alguns hábitos, faça a mudança que se impõe, faça diferente por forma a trazer a novidade da fraterna convivência. Com os amigos, mas também com a família…


Uma nota e apelo a todos quantos viajam: muita prudência! Que as férias sejam umas grandes férias, são os votos do nosso e vosso sítio, Luso.eu

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.