Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

É neste aprazível e sumptuoso local que se vive uma grotesca e dramática situação, que nos deve interpelar e envolver.

Não é ficção, nem coisa que o valha! A Teresa, Marta, Inês e Manuel, uma simpática família de emigrantes, ficaram sem a sua casa. Foram “expulsos

” do seu lar! O edifício do século XIX onde viviam felizes, baqueou e por causa, uma centenária construtora belga, que ao demolir o prédio anexo, usou e abusou do subsolo da casa onde viviam tranquilos os nossos compatriotas! As fundações cederam, as paredes abriram brechas, onde já cabem os dedos da mão! Os bombeiros declararam a casa inabitável. Os nossos amigos tiveram que deixar o melhor espaço da vida deles! O número 62 do Squaire Marie-Louise entra assim em órbita judicial sem fim… Podemos imaginar os contornos deste caso em termos de desgaste psicológico/moral e também financeiro. Uma “guerra” sem fim à vista, onde os advogados e outros engenheiros se demarcam do elo mais fraco; o poder económico da empresa parece levar por diante os seus intentos, amarfanhando o direito e o dever, a justiça e a própria dignidade das pessoas!
Uma degradante situação que se arrasta no tempo e que urge resolver!
É também por isso que estamos aqui para, mais do que sensibilizar, proceder a uma consistente mobilização da comunidade portuguesa em Bruxelas. E todos os meios são bons, incluindo a assinatura de uma petição online: ; a visualização de uma entrevista no Youtube (we lost our home); página do Facebook Podemos assim manifestar, por um lado, a nossa profunda indignação e por outro, um efectivo apoio a esta causa merecedora de um fim, urgente e feliz! Assim o esperamos com todo o vigor, fazendo nossa a máxima de que “a união faz a força”, num premente apelo à mobilização de tudo e de todos; mais do que querer, exigimos que se faça justiça.

CLICK NA FOTO E USE AS SETAS ↑ ↓ E OU RODA DO RATO PARA PERCORRER.



©António Luís Rodrigues Fernandes

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.