Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Inéditos de Amália gravados em Paris são editados dia 23

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - Uma caixa com cinco CD com gravações inéditas de Amália Rodrigues (1920-1999) em Paris é editada no próximo dia 23, quando a fadista completaria 100 anos, no âmbito da edição da discografia integral da fadista.

Dos cinco discos, apenas um deles é já conhecido, o espetáculo de Amália no Olympia, em 1956, remasterizado a partir das bobinas originais.

Os outros incluem gravações entre 1957 e 1965, de atuações ao vivo e em estúdio na Rádio France, dois espetáculos completos, novamente no Olympia, em 1967 e em 1975, e ainda uma atuação para emigrantes portugueses, em 1964.

Apesar de ter atuado por todo o mundo, o Olympia, em Paris, foi fulcral para a carreira de Amália, que, em várias entrevistas, se referiu à capital francesa como a rampa de lançamento do seu prestígio internacional. "De Paris parti para o mundo", afirmou a fadista.

Em junho de 1956, uma revista portuguesa relatava deste modo o êxito da fadista na capital francesa: "Amália canta, e Paris acredita! A nossa Amália andou ao colo de Paris como se fosse um bebé gorducho e bonito que faz gracinhas. Em toda a parte, e em todos os seus espectáculos no Olympia bastava-lhe chegar...e logo se espalhavam sorrisos de simpatia, expressões de curiosidade, de admiração, talvez algumas de ciúme. Porque Amália é uma espécie de Casanova intelectual...".

E a mesma publicação acrescentava: "Os franceses ouvem a Amália desde que começou a correr nos écrans de Paris, o filme 'Les Amants Du Tage'. O 'microsillon' da Amália que concentra dez trechos dos melhores do seu reportório, existe em todas as emissoras, nos juke-box dos bares e em todas as casas onde há um pick up [gira-discos]".

O jornalista, Olavo d'Eça Leal, realçou ainda as "muitas solicitações" da artista que "em dez" tinha "de esquivar-se a nove". "O quadrante do relógio não lhe permite agir de outro modo", justificava Eça Leal.

Referindo-se à atuação para emigrantes portugueses em 1964, o responsável pela edição discográfica, Frederico Santiago, afirmou à agência Lusa que "é um exemplo de como Amália não só atuava nas grandes salas como, muitas vezes graciosamente, cantava para associações de portugueses".

Entre os temas gravados neste conjunto de cinco CD, cite-se "Fado Madragoa", "Sempre que Lisboa Canta", "Fado do 31", "Perseguição", "Trepa no Coqueiro" ou "Cansaço".

Frederico Santiago realçou que "apesar de ser já um verdadeiro mito em Portugal, foi o triunfo parisiense, em 1956, que fez o mundo de então reconhecer em Amália uma das maiores cantoras do século".

"Paris e o seu público conseguiram sempre mitificar ainda mais os grandes artistas. Foi assim com Chopin e Bellini, na década de trinta do século XIX, foi assim com Amália e Maria Callas, nos anos cinquenta do século XX e seria ainda assim com os próprios Beatles, em 1964", referiu Santiago.

O estudioso de fado Luís de Castro, da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado, afirmou que esta caixa "dá uma perspetiva da fulgurante carreira de Amália que se destacou não só pela exuberante voz como pela capacidade criativa de interpretar cada tema, nunca sendo igual, dando-lhe a sua capacidade imaginativa".

"Amália foi a nossa maior intérprete, não só pela carreira internacional ímpar, mas pela capacidade de ser sempre nova e surpreendente em cada interpretação dos fados, cuja melodia há muito era conhecida", afirmou.

A edição inclui um livro com fotografias inéditas, uma cronologia das atuações de Amália na capital francesa, e um texto do historiador Jorge Muchagato, que assinou outros textos sobre a fadista.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Marcelo afirma que são os representantes dos portugueses quem decide destinos do país https://t.co/okfapB439Z
Projeto liderado pela Universidade de Coimbra revela eficácia de Drones “low-cost” no combate ao lixo marinho https://t.co/Kv9c8YHTZL
Intermitências da Pandemia – o “novo normal” https://t.co/RRnfQalmYl
Follow Jornal das Comunidades on Twitter