Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Uma Humanidade, Um Só Mar, seminário

Convide os seus amigos

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 


       As conquistas científicas (geográficas, neste caso) realizadas nos fins do século XV e início do século XVI, em que as “grandes conclusões” foram a da existência de um só mar, interligado por estreitos e cabos referenciados e, acima de tudo, a de um ser humano, de diferentes tonalidades de pele e de miríades de culturas diferenciadas, mas uno naquilo que é essencial, um ramo único no reino animal.

       Para este primeiro seminário, e para além dos temas desenvolvidos pelos nossos participantes, escolhemos alguns temas que nos parece importarem no momento actual e outros que dizem respeito à nossa cidade.

       Na História, os povos encontram-se e reencontram-se e, nesse sentido, escolhemos trechos do relato da viagem de Vasco da Gama, de Álvaro Velho (do Barreiro?), onde realça o carácter indagador e comercial do início da expansão, em que fomos os primeiros europeus a tomar contacto, por exemplo, com alguns povos da África subsariana e com os japoneses.

       A nossa cidade, onde casou D. João I, o 1° Rei da Dinastia de Avis, com D. Filipa de Lencastre, teve um papel importante no encontro com os novos mundos. Aqui nasceu o seu filho, o Infante D. Henrique, um dos estrategas de toda essa época de ouro, assim como, tudo o indica, nasceu Fernão de Magalhães, o homem que concebeu e realizou a primeira viagem completa à volta da Terra (1519/1522).

       Esse período de expansão iniciou-se muito antes, em 1415, com a conquista de Ceuta, em Marrocos. Nos estaleiros do Ouro, na margem do Douro, construíram-se dezenas das embarcações usadas nessa conquista e é conhecida a generosidade da região e do Porto no fornecimento em víveres dessa expedição, o que esteve na origem da nossa alcunha.

       Não podíamos deixar também de aduzir neste limitado espaço a intervenção político-poética do nosso Sá de Miranda que alertou à sua maneira para o outro lado da História, a desertificação e subalternização do país face ao “dinheiro fácil” das especiarias que concentrando na capital os proventos adquiridos, “o Reino nos despovoa”.

       Procuramos assim singelamente reler e redescobrir parcelas da colossal História da Expansão em ano de comemoração da circum-navegação de Fernão de Magalhães. Voltaremos para o ano, por mérito do tema e necessidade dos portugueses.

Amanhã, às 16 horas, pode seguir este Seminário (ver anexo) através desta ligação.

 


RECOMENDADOS PARA SI

EU APOIO O Luso.eu

Últimos Tweets

Federação Colombiana de Futebol anuncia saída do treinador português Carlos Queiroz https://t.co/NGeQ1RfcAq
Covid-19: GNR detém 30 pessoas por eliminações ilegais de resíduos sanitários https://t.co/e79idWEeSX
TAP: Companhia prevê redução da operação entre 60% e 70% durante o inverno https://t.co/nM613dEsyX
Follow Jornal das Comunidades on Twitter