Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Portugal teve bons resultados em termos de deficit em 2016  (-2,1% do PIB). Com este resultado deveríamos estar a caminhar na direção certa. Então porque é que há vozes a dizer que algo não está tão bem como parece? Entre essas vozes estão as agências de Rating internacionais. Elas estão a ser injustas com Portugal?

O que se passa é que este reequilíbrio das contas do Estado que é uma coisa boa, foi conseguido através de medidas que não são assim tão boas. Mas falamos de quê?

A redução do deficit foi conseguida á custa de uma redução muito importante do investimento publico, e ao mesmo tempo não nos coloca na direção da diminuição da dívida, pois não há uma resolução da estrutura de funcionamento e financiamento do Estado, que mantém basicamente o mesmo perfil e tipo de desequilíbrios. Mas o que isto quer dizer?

O Estado está organizado de uma determinada forma, que leva a um conjunto de gastos. Esses gastos não são totalmente cobertos pelas receitas, que são impostos pagos por todos, o que leva à necessidade de procurar financiamento para a parte em deficit. Ora, para uma economia muito endividada e com fraca capacidade de financiamento como é a economia portuguesa, se o Estado reequilibra as suas contas deixando de investir e ao mesmo continua a sugar importantes meios financeiros  do resto da economia (quer pelo nível elevado de impostos face ao tipo de economia, quer pelas necessidades de financiamento), impede dessa forma que o sector privado se possa financiar adequadamente. O financiamento das empresas existentes e a criação de novas empresas, que no fundo são um outro motor do crescimento económico, fica fortemente penalizado. E o que é que esta problemática tem a ver com os estímulos monetários do BCE? E será esta uma das razões  pelas quais as agências de Rating estão desconfiadas?

Tem tudo a ver. O modelo de financiamento usado para conter o deficit das contas do Estado em 2016, foi levado ao limite. Ao serem retirados os estímulos monetários por parte do BCE, o financiamento da economia fica “stressado”, levando a um aumento de taxas de juro, maiores dificuldades de financiamento publico e privado.

Poderíamos concluir, com o devido e salvado respeito, que será um efeito tipo “pescadinha com o rabo na boa” e um comprometimento do crescimento futuro a médio prazo da economia.

Pub

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.