Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 02 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Abate “exagerado” na mata do Camarido?



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

A denúncia foi feita por Liliana Silva, vereadora do PSD em Caminha, que acusou de se ter feito um abate “exagerado” de eucaliptos e pinheiros centenários na mata nacional do Camarido. E, a Câmara Municipal de Caminha salientou que “ a gestão da Mata do Camarido e a empreitada em causa é da exclusiva responsabilidade do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, a mais qualificada autoridade a nível nacional para a gestão florestal”.

A vereadora social democrata também acusou o instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, ICN, s de estar a realizar este abate com o intuito de vender a madeira.
Por sua vez, o instituto de Conservação da Natureza e das Florestas em comunicado fez saber que o abate de árvores em curso na Mata Nacional do Camarido, em Caminha, “respeita” o Plano de Gestão Florestal aprovado, em 2010, para aquela área. Esta é uma operação de “gestão tecnicamente adequada e sustentável, tomando em linha de conta critérios ambientais, sociais e económicos” da Mata Nacional do Camarido.

Segundo o ICNF, o Plano de Gestão Florestal, aprovado em 2010, e “alvo de publicitação” e de “apresentação na comunidade local”, é “um instrumento técnico que determina, no espaço e no tempo, as intervenções de natureza cultural e de exploração dos recursos, visando a produção sustentada dos bens e serviços por eles proporcionado e, tendo em conta as atividades e os usos dos espaços”.
“No âmbito dessa gestão e da sua permanente monitorização.

A referida intervenção iniciou a 3 de Fevereiro e provavelmente irá terminar esta semana. Ainda, segundo o ICN esta intervenção resultou da “identificação do arvoredo em risco, imediato ou potencial, em face da ponderação de diversos critérios e parâmetros, com destaque para a avaliação da sua estabilidade, a sua localização junto de edificações e infraestruturas e ainda a consolidação de faixas de gestão de combustível”.

As intervenções visam “a redução de densidade de povoamentos puros no âmbito da condução das parcelas de pinhal e desbaste progressivo de acácias no âmbito da reconversão de povoamento de acácias em povoamentos puros e mistos com pinheiro”.

Após esta intervenção está previsto diversas intervenções visando a consolidação de faixas de gestão de combustível, a diminuição de riscos e suscetibilidades e a salvaguarda da segurança e conforto aos utilizadores da Mata”, refere ainda o ICNF.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 234 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia