Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 13 maio 2021

Caminha e os desencontros de um orçamento



 Ontem, em reunião de câmara, Miguel Alves, presidente da autarquia de Caminha, apresentou um “plano e Orçamento para 2021 que representa maior investimento em infraestruturas dos últimos 10 anos”, segundo se refere em comunicado.

25 milhões de euros é o valor apresentado num orçamento em que o executivo caminhense destacou “medidas de apoio à economia, famílias e instituições sem fins lucrativos e o forte investimento que se propõe para o próximo ano, num montante superior a 10 milhões de euros”.

A Câmara Municipal de Caminha pretende “isentar o comércio e a restauração do pagamento de taxas de ocupação de espaço público e publicidade e um substantivo reforço no apoio social”. Segundo revelou em nota, o município prevê que o “financiamento às instituições sem fins lucrativos cresça 43,4% e que o apoio às famílias do concelho de Caminha cresça 210,5%, num esforço enorme para combater os efeitos da pandemia. Esta autarquia ainda salienta “obras tão relevantes como a nova Escola Básica e Secundária Sidónio Pais, a nova Escola Básica do Vale do Âncora, a sede da Academia de Música Fernandes Fão, o novo Mercado Municipal de Caminha, as empreitadas de saneamento em Venade, Azevedo, Moledo e Âncora e a construção da ecovia da frente ribeirinha de Caminha.

“Miguel Alves: O Presidente dos Impostos! “

O Partido Social Democrata de Caminha teceu fortes críticas a este plano e orçamento apresentado pelo executivo e considerou que o “de 2021 vai ao bolso dos munícipes em 5,5 milhões de euros”.

“A Câmara de Caminha termina o ano de 2019 como a única Câmara do distrito de Viana do Castelo que ultrapassou os limites ao endividamento. Não se observou neste orçamento um único esforço de contenção de despesa que visasse a consolidação das contas municipais para uma saída deste cenário que nos envergonha a todos”, referem em nota após os vereadores do PSD terem votado contra o plano e orçamento apresentado.

Esta força da oposição é clara ao definir o orçamento apresentado pelo líder socialista Miguel Alves e referem que “este orçamento coloca o peso do seu funcionalismo nas costas das pessoas. 5.5 milhões é o que os munícipes contribuem de forma directa para este orçamento de 25 milhões de euros, através do pagamento do IMI, IRS, IMT e derrama.

Para não falar dos impostos indirectos que o OE 2021 prevê cobrar às pessoas e que irão alimentar os municípios em ano eleitoral. E, ainda, salientam que o “orçamento de 25 milhões, falam em cerca de 70 mil euros para famílias e pouco mais de 130 mil para as IPSS do concelho”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Isabel Varela
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

TEMOS NO SITE

Temos 377 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Não existem eventos no calendário
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!