Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Francisco Guerreiro questiona Comissão sobre respeito das normas europeias da central nuclear de Almaraz

IDT-N°/ : 5497
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 No seguimento de um segundo incidente em cinco dias na central nuclear de Almaraz, Francisco Guerreiro, eurodeputado dos Verdes/Aliança Livre Europeia (Verdes/ALE), perguntou hoje à Comissão Europeia (CE) se a Diretiva 2014/87/Euratom do Conselho foi transposta para a ordem jurídica nacional espanhola (infração 20182121) e se a CE tem conhecimento dos investimentos que estão a ser feitos para melhorar a segurança da unidade industrial.

A Diretiva 2014/87/Euratom do Conselho estabelece um quadro comunitário para a segurança nuclear das instalações nucleares e “reflete as disposições do principal instrumento internacional no domínio da segurança nuclear, a saber, a Convenção sobre Segurança Nuclear, bem como os princípios fundamentais de segurança estabelecidos pela Agência Internacional da Energia Atómica («AIEA»)”, lê-se na mesma.

A central nuclear de Almaraz registou um incidente no último dia 27 de junho no reator da unidade II. Em cinco dias este é o segundo incidente registado nesta central.

Para além desta questão o eurodeputado perguntou se a CE terá recebido, por parte do titular da licença da central nuclear, alguma comunicação nos termos do Tratado Euratom, sobre os investimentos nesta central e inquiriu igualmente se a central de Almaraz possui condições de segurança suficientes para continuar a funcionar até 2028.

A central de Almaraz, que está situada junto ao rio Tejo, faz fronteira com os distritos de Castelo Branco e Portalegre e está implantada numa zona de risco sísmico e apenas a 110 quilómetros em linha reta da fronteira portuguesa.

Consulte a pergunta na íntegra abaixo:

A central nuclear de Almaraz, em Espanha, registou um incidente no último dia 27 de junho de 2020, no reator da unidade II. Em cinco dias, este é o segundo incidente registado nesta central, situada junto ao rio Tejo e próxima da fronteira portuguesa. Sendo o episódio classificado a título provisório no nível 0 da Escala Internacional de Ocorrências Nucleares, sei que não existe qualquer obrigação de Espanha informar a Comissão.

Mas os problemas nesta central não são novos: incidentes similares aconteceram no passado, e, em 2015 foi revelada uma falsificação de dados de fiscalização ao sistema de segurança contra incêndios[1]. Em 2017, no que diz respeito à avaliação de impacto transfronteiriço, Portugal exigiu a Espanha um estudo que avalie o impacto de um aterro nuclear muito próximo de Portugal e pediu uma mediação por parte da Comissão.

Pergunto agora se:

  1. A Diretiva 2014/87/Euratom foi finalmente transposta para a ordem jurídica nacional espanhola (infração 20182121)? 
  2. A Comissão terá recebido, por parte do titular da licença da central nuclear, alguma comunicação nos termos do Tratado Euratom, sobre os investimentos nesta central?
  3. A central de Almaraz possui condições de segurança suficientes para continuar a funcionar até 2028?

[1] https://www.csn.es/documents/10182/909419/20.02.15%20-%20Almaraz%20I%20(C%C3%A1ceres)%20-%20INES%201

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Marcelo afirma que são os representantes dos portugueses quem decide destinos do país https://t.co/okfapB439Z
Projeto liderado pela Universidade de Coimbra revela eficácia de Drones “low-cost” no combate ao lixo marinho https://t.co/Kv9c8YHTZL
Intermitências da Pandemia – o “novo normal” https://t.co/RRnfQalmYl
Follow Jornal das Comunidades on Twitter