Colocámos cookies no seu computador para melhorar a sua experiência no website. Ao utilizar o site, está a concordar com o seu uso. Ler mais

Lusoproductions  has placed cookies on your computer to help improve this site. By using this site, you are consenting to its usage. Ler mais

Votos do utilizador: 0 / 5

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Uma das dimensões mais sombrias da malfadada crise que atingiu Portugal em 2011, e que obrigou o país a pedir em maio desse ano, um resgate financeiro da ordem de 78 mil milhões de euros, concedido pela União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu, vulga Troika, foi a falência estrondosa dos antigos bancos BES e Banif.

Mergulhados num período de cortes salariais, desemprego, diminuição de poder de compra e direitos, acréscimo de impostos e aumento exponencial da emigração para valores semelhantes aos dos anos 60, aos portugueses, uns mais do que outros, tanto que somos agora confrontados que entre 2011 e 2014 saíram do país cerca de 10 mil milhões de euros para offshores sem a devida fiscalização da Autoridade Tributária (!), foram impostos sacrifícios que nos levaram a apertar o cinto e a arrepiar caminho.
O processo de falência do BES e do BANIF, reveladora da fragilidade do sistema financeiro português, já manifesta no descalabro do BPN e BPP, foram um dos vários episódios inconcebíveis desses tempos recentes que ainda oneram e continuarão a onerar o erário público.

Pub

A indignidade de vários banqueiros, a ineficiência dos reguladores, as irreais promessas de bonança de políticos, e a impunidade da corrupção e paralisia dos processos judiciais, atingiu com particulares requintes de malvadez milhares de emigrantes.
Convencidos a aplicarem as suas poupanças, na maioria dos casos, de uma vida de trabalho e sacrifício, em depósitos que afinal eram aplicações financeiras, malgrado as soluções já encontradas para muitos casos, subsistem manifestações de lesados e são inúmeros os episódios de vidas totalmente destruídas.

Perante as ausências de princípios éticos, e os exemplos de desamparo a que estão deixados vários compatriotas residentes no estrangeiro, será que responsáveis económicos e políticos nacionais terão moralidade para pedir aos emigrantes que continuem a investir em Portugal? Uma coisa é certa, para o bem do país é primordial que os nossos emigrantes permaneçam dispostos a abraçar o desígnio de ajudar no desenvolvimento de Portugal.

Pub

Conecte-se

Se deseja inscrever-se na nossa newsletter, Digite seu endereço de e-mail.