Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 27 janeiro 2022

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Covid-19: Internamentos diminuíram mas consultas aumentaram no Hospital Magalhães Lemos no Porto



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Desde o início da pandemia que os internamentos no Hospital Magalhães Lemos, no Porto, sofreram um “decréscimo”, mas a retoma dos cuidados de saúde primários resultou, este ano, num aumento da procura das primeiras consultas, revelou a diretora clínica.

Ainda sem conclusões sobre se a pandemia da covid-19 espoletou o aparecimento de doenças do foro mental em estadio grave, a diretora clínica do Hospital Magalhães Lemos, Rosa Encarnação, afirmou à Lusa ter existido um "decréscimo" no número de internamentos.

“Os doentes, inicialmente, não recorriam do mesmo modo ao serviço de urgência”, salientou, lembrando, no entanto, que em Portugal – “ao contrário de outros países no mundo” – o recurso ao contacto telefónico e outras tecnologias permitiram manter e seguir o estado dos doentes.

Apesar dos “condicionalismos” provocados pela pandemia da covid-19 e mesmo em “fases de maior agravamento”, os profissionais de saúde do Hospital Magalhães Lemos mantiveram as visitas domiciliárias aos doentes com doença mental grave, como esquizofrenia ou demência, permitindo o acesso a medicação regular e aos técnicos.

Ciente de que o isolamento, o aumento da precariedade, o receio de procurar ajuda e a "baixa referenciação" por parte dos cuidados de saúde primários, “podem de algum modo ter condicionado o diagnóstico mais precoce e o encaminhamento para estruturas especializadas para intervenção”, Rosa Encarnação salientou, no entanto, a importância de se terem “conclusões fidedignas”.

“Será importante haver estudos em que sejam comparados os números de aparecimento de doença mental grave antes da pandemia e atualmente, só assim as conclusões serão fidedignas”, referiu, acrescentando que de futuro aquela unidade de saúde terá mais dados.

Até lá, há já conclusões que se podem antecipar: “Durante este ano e com a retoma do funcionamento “normal” dos cuidados primários, em relação ao período homólogo, há mais procura de primeiras consultas”, revelou a diretora.

As razões carecem, contudo, de “dados claros e objetivos”, mas Rosa Encarnação salienta ser necessária “vigilância” para situações que são causadoras de uma pior saúde mental, física e social como a ansiedade, perturbações do sono, depressão e abuso de substâncias.

“É necessária uma vigilância destas situações para que, se apresentarem critérios de patologia, sejam precocemente diagnosticadas e tratadas”, disse.

Considerando que a saúde mental em Portugal “sempre foi carenciada”, Rosa Encarnação defendeu existir ainda “muito a fazer”, nomeadamente, na articulação entre os diferentes intervenientes: cuidados de saúde primários, unidades locais de saúde mental, departamentos de saúde mental e hospitais psiquiátricos.

“Este é ainda um grande caminho a percorrer, de modo que, cada doente, consoante as suas necessidades, esteja integrado na estrutura que melhor se adeque”, acrescentou.





Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 211 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia