Tour de França



Existe nos nossos tempos a fácil compulsão pela tentativa de assumir o presente como o início e o fim do que somos e até mesmo da extensão do que fomos enquanto coletivo cultural. 

Ou seja, vemos o presente como um decalque espelhado do passado e não admitimos que as mudanças do futuro possam ter respaldo num lastro ancestral que temos agarrados a nós tal como o ADN que nos está no sangue.

A forma de pensar e agir dos povos em confronto com os tumultos modernos obedece a um conjunto de regras não escritas, mas implícitas no ADN da história, por alguma razão os coletivos de nações reagem aos estímulos do mundo, como reagem. Nada é por acaso.

Quero escrever claro está da França e da sua história sucessiva de clivagens brutais e muitas vezes sangrentas, das divisões que ao longo da sua cronologia foram acontecendo na sua sociedade, das bifurcações ideológicas, das cisões com o pensamento, ou mesmo das ramificações religiosas. Tudo isto contribuiu para o sucessivo parcelamento de uma sociedade compostas por inúmeras personalidades fortes e antagónicas.

Esta introdução é importante para iniciar o tema, porque se olharmos a França desde a entrada para o projeto europeu sucessor da II Guerra Mundial, podemos esquecer que a sociedade francesa foi sempre dividida. O projeto europeu ajudou de certa forma a olharmos para a República Francesa como um pilar e não como um fator de instabilidade.

Mas a verdade é que quem inventou o conceito “esquerda VS direita” foram os franceses. Atualmente o perigo radica objetivamente da destruição declarada do centro moderado, remetendo para uma esquerda capturada pelo seu extremo, encabeçado por Melanchon e a direita igualmente saneada pelo seu extremo, personificado pela família Le Pen.

O contexto histórico no tempo longo, não causa nenhuma surpresa com a situação atual. Relembro o 24 de agosto de 1572, dia do massacre de São Bartolomeu que levou ao assassinato de 5mil a 30mil Huguenotes (depende das fontes) por parte da maioria católica. Uma guerra religiosa enorme e com consequências fundas na memória francesa.

As sucessivas Revoluções francesas e os seus episódios de deposição da monarquia, a tomada da bastilha, as decapitações das cabeças coroadas. Napoleão e a sua ambição pela conquista, a guilhotina e a atual “Praça da Concórdia”. Só um povo discordante entre si pode ter necessidade de criar um espaço com este nome sabendo que foi o palco do pior terror francês.

E por fim o orgulho ferido na guerra franco-prussiana, na I guerra mundial e a derrocada do exército na II guerra mundial em tão poucos dias que atirou a França para o regime de Vichy.

É preciso lembrar que nestes episódios que escolhi houve sempre fervorosos adeptos dos dois lados da barricada. Entre monárquicos e republicanos, católicos e protestantes, a favor do terror e contra o terror, por Vichy e contra Vichy, por De Gaulle e contra, pela Europa e contra. Tudo isto existiu em França e estas questões existem ainda com a roupagem dos dias de hoje.

Nada neste texto pretende normalizar o “Rassemblement national”, não existe nada que me faça ter simpatia por partidos que acicatam o medo, usam as pessoas e jogam com as dificuldades latentes da sociedade para ganhar poder ao invés de servir os cidadãos.

Mas é preciso ter consciência de que os coletivos culturais têm muita força e uma característica da nação francesa é esta divisão da sociedade é polos fortes e dispare.

 A Europa e os seus valores moderados estão a ser captados pelos seus inimigos mais ferozes que usam todos os instrumentos ao dispor para rasgar com o que conhecemos desde 1945.

É com muita pena pessoal que o país do lema “Liberté, Égalité, Fraternité” possa estar hoje captado por maioritariamente por políticos que enjeitam o mais basilar respeito pelos Direitos Humanos”.

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.