Europeias: Presidente do Conselho deverá ser socialista – António Costa



O ex-primeiro-ministro António Costa considerou hoje que os resultados das projeções europeias indicam que os socialistas deverão liderar o Conselho Europeu, mas salientou que a escolha depende dos atuais governos.

Para cargos europeus "há sempre uma extensa lista de ex-primeiros-ministros excelentes. Há uma pequena diferença é que os que estão em exercício são os que estão à volta da mesa [para escolher os nomes] e isso faz tudo uma grande diferença”, afirmou, na CMTV António Costa, evitando responder se está disponível para um cargo europeu.

“Há sempre muitas hipóteses. Há cinco anos, quando entrámos para o Conselho [Europeu], a senhora Von der Leyen não era um nome que fosse referido para nenhum dos lugares”, recordou o antigo governante.

“Por isso vamos ver”, limitou-se a dizer António Costa, explicando que, na próxima semana, o Conselho Europeu deve reunir-se para discutir os nomes para os cargos, tendo em conta as eleições europeias deste fim de semana.

No seu entender, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, “tem todas as condições para ser reeleita”, porque o “PPE vai continuar a ser a primeira força” e “nenhum dos grupos da extrema-direita consegue ultrapassar os liberais” no Parlamento.

“Eu diria que a presidente da Comissão Europeia será do PPE e o Conselho Europeu dos socialistas”, comentou António Costa, considerando ainda que o “Parlamento Europeu há-de rodar entre os socialistas e os liberais” ou “entre o PPE e os liberais”.

“Estes resultados europeus são muito interessantes”, afirmou Costa, salientando que o crescimento da extrema-direita não coloca em causa a estabilidade do sistema europeu de partidos.

“Aquilo que é muito claro é que entre o PPE [Partido Popular Europeu, centro-direita], socialistas e liberais há uma maioria clara”, o que assegura uma “perspetiva de estabilidade em relação à orientação da política europeia”, afirmou António Costa, que comentou a possível subida da Iniciativa Liberal, em Portugal, no quadro global.

“Sempre disse que um deputado da IL valeria mais que três deputados do Chega”, porque este partido pertence a um “grupo político que está fora do consenso europeu”.

NOTÍCIAS RECENTES

Colunistas

Ambiente

Who's Online

Temos 2096 visitantes e 0 membros em linha

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.