Perguntas ao poeta que lê



Não fiquei muito surpreendida com este livro, sabendo de antemão que o autor preza e vivencia a espiritualidade, o belo, o verdadeiro, a justiça, o silêncio, a natureza das coisas e dos seres, bem como, os lugares, o tempo, a humanidade, a arte e a vida com as suas dicotomias.

“Perguntas Ao Poeta Que Lê”, é o título escolhido pelo autor, cujas palavras estão bem configuradas. Penso que não foi apenas um propósito estético, pois, o título de per si confere uma interação com o sujeito, ou seja, com o leitor, permitindo-lhe fazer uma pausa reflexiva entre as palavras.  O título faz-me lembrar “Cartas a um jovem Poeta” de Rainer Maria Rilke. Tal como nas cartas: “As Perguntas Ao Poeta Que Lê”, na minha opinião, são um convite que o J.J Garcia faz ao leitor, no sentido de desbloquear a criatividade, e serve de guia, como um caminho para a imaginação, reflexão, e a consciencialização. O autor, como qualquer um de nós, vive essencialmente com incertezas, à procura de si mesmo, no sentido de um pensamento e sentimento mais profundos de si, do outro e do mundo.

Logo na primeira página de fundo preto, posterior ao prefácio de Júlio Machado Vaz, julgo que premeditado, como sinónimo de sombra, J. J. Garcia questiona.se: “Sento-me ao Sol, sentindo o movimento da Terra com gente em cima. A pensar nos dias, entre geografias e geometrias, pulsões e cálculos estruturais, pergunto-me se poderá a sombra espreguiçar-se dentro do Sol” e, logo a seguir, mais abaixo, interroga o leitor, “Onde fica o intervalo dos pensamentos profundos?”. Esta questão é fundamental para refletirmos sobre como é essencial parar para pensar, para sentir, sem pressa, num mundo louco, onde a tecnologia, os números, as guerras, as catástrofes ambientais, os interesses políticos, económicos e sociais prevalecem e suprimem os valores humanos, a igualdade, a liberdade e o respeito pelo outro e pela natureza.

Tal como referi em cima, as incertezas fazem parte do autor, da natureza humana e J.J. Garcia escreve: “Viajamos pela incerteza. Seremos nós próprios uma pergunta, como pergunta Clarisse?”.

O Autor, neste livro, conjuga pensamentos de outros autores, poetas, escritores, conferindo-lhe intertextualidade intencional, reforçando desse modo, o significado da sua escrita, a partir de citações de outros autores, como se comprova mais adiante quando refere e cita Neruda: “A quem posso perguntar o que vim fazer a este mundo? “ .

Talvez a resposta esteja no interior de cada um de nós, se cada um é responsável pelo bem e mal que faz, no tempo que lhe é permitido permanecer enquanto ser terreno.

São muitas as perguntas, inquietações, incertezas e também a questão da morte: “O que acontece quando morremos?”.

“No fim de tudo sobrarão os oceanos?”.

 Esta pergunta fez-me refletir e visualizar o livro “O Destino de Fausto” de Oliver Jeffers. Uma fábula que bem ilustra algumas preocupações do J.J Garcia. Um homem que acreditava ser dono de tudo. Fausto é a personificação do Homem perante a natureza. Personifica um ser arrogante, autoritário e egoísta, autodeterminando-se dono de tudo, submetendo a natureza à sua vontade, a flor, a árvore, a montanha… e, quando tem a mesma pretensão com o mar, não consegue o que deseja.  Entra na água com a sua ira e autoridade e põe desse modo termo à Vida. O mar, continuou a ser o que era, bem como toda a natureza. O destino de Fausto não era importante para eles. O que somos nós perante essa imensidão?

São muitas as perguntas deste livro que nos transportam para diferentes perspetivas, para diferentes dinâmicas e contextos. Transportam-nos para um passado, um presente e um futuro, onde o tempo se faz de memórias, movimento e projeção. Algumas perguntas são tão subtis que nos tocam pela delicadeza da palavra poética, como esta: “Se uma palavra acordasse de manhã e quisesse ser poesia, que palavra seria?”.

Mas não só de palavras é composto este livro, também ele é composto por fotografias facultadas pelos seus autores, enriquecendo sobremaneira o livro, dando uma outra leitura, ou seja, diferentes interpretações, a partir de cada imagem. Há uma harmonia visível e sensorial, entre a imagem e o texto, apesar de serem duas formas de arte diferenciadas.

Este livro permite ao leitor uma diversidade de interpretações e reflexões. Tem como essência o sentido multifacetado, por isso mesmo a liberdade do leitor enfatizar a sua subjetividade perante as imagens e as perguntas que lhe entram pelo olhar atento e sensitivo.

Estamos perante um livro que é uma autêntica obra de arte. 

“Com saudades do futuro o que deixo de mim”?

J.J. Garcia

Deixa a sua obra, o seu caráter, o seu rastro luminoso, porque é um ser de luz!

A nossa missão

Comunidades

28-maio-2024

Juventude Portuguesa de Bruxelas participa na maratona …

No passado domingo, 26 de Maio, a associação desportiva sem fins lucrativos participou pela primeira vez na Maratona dos 20Km d

26-maio-2024

Projeto Os 230 encontra-se com jovens em …

O projeto Os 230 organizou este sábado um encontro entre jovens no Café Portugal, para um debate informal sobre os maiores desa

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.