Europeias/Itália: Meloni com vitória clara, segundo sondagens à boca das urnas



O partido de direita radical Irmãos de Itália, da primeira-ministra Giorgia Meloni, confirmou o favoritismo que lhe era atribuído e venceu de forma clara as eleições europeias neste país, segundo sondagens à boca das urnas divulgadas hoje à noite.

De acordo com a sondagem divulgada pela estação televisiva estatal italiana RAI assim que encerraram as urnas no país (e na União Europeia, já que Itália era o Estado-membro onde a votação se prolongava até mais tarde, às 23:00 locais), os Irmãos de Itália obtiveram entre 26% e 30% dos votos, à frente do Partido Democrático (PD, centro-esquerda), que teve entre 21% e 25%.

A terceira força política mais votada foi o Movimento 5 Estrelas (populista de esquerda), com 10% a 14% dos votos, seguido do Força Itália (centro-direita), com 8,5% a 10,5%, e do partido de extrema-direita Liga, do eurocético Matteo Salvini, que se situa entre os 8% e os 10%, de acordo com a sondagem efetuada pelo consórcio Opinio Italia para a RAI.

Uma outra sondagem à boca das urnas, divulgada pela estação televisiva Sky, dá também a vitória aos Irmãos de Itália com um resultado em torno dos 26,5%, seguido do PD com 23%, enquanto o Movimento 5 Estrelas é terceiro com 12,5% e o Força Itália supera a Liga (9,5% contra 9%), resultados em linha com a sondagem da RAI.

Face às anteriores eleições europeias, de 2019, e tal como as sondagens ao longo dos últimos meses já antecipavam, regista-se uma troca de papéis entre os partidos da direita radical em Itália, já que há cinco anos a Liga de Salvini obtivera uma vitória inquestionável, com 34,3% dos votos, que lhe valeram 29 dos 76 assentos a que Itália tem direito no Parlamento Europeu, enquanto os Irmãos de Itália obtiveram 6,4%, que lhe atribuiu cinco assentos no hemiciclo europeu.

Meloni, que preside ao grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus (ERC, direita radical) no Parlamento Europeu, obtém mesmo, segundo estas sondagens à boca das urnas, um resultado melhor do que nas eleições legislativas de 2022 (24,6%), que lhe permitiram tornar-se a primeira mulher a governar Itália, à frente de um governo de coligação que integra também a Liga e a Força Itália.

O Partido Democrático, agora liderado por Elly Schlein, confirma-se como principal força da oposição, mas não deverá crescer muito face ao resultado obtido há cinco anos (22,7%).

Cerca de 361 milhões de eleitores dos 27 países da União Europeia (UE) foram chamados a escolher a composição do próximo Parlamento Europeu, elegendo 720 eurodeputados, mais 15 que na legislatura anterior.

Itália é o terceiro Estado-membro com mais assentos no Parlamento Europeu, 76, apenas atrás de Alemanha (96) e França (81).

NOTÍCIAS RECENTES

Colunistas

Ambiente

Who's Online

Temos 3376 visitantes e 0 membros em linha

Boletim informativo

FOTO DO MÊS

We use cookies
Usamos cookies no nosso site. Alguns deles são essenciais para o funcionamento do site, enquanto outros nos ajudam a melhorar a experiência do utilizador (cookies de rastreamento). Você pode decidir se permite os cookies ou não. Tenha em atenção que, se os rejeitar, poderá não conseguir utilizar todas as funcionalidades do site.